BOAS VINDAS

A idéia deste blog é a criação de um espaço para o questionamento de duas grandes forças das ideologias atuais: o Capitalismo e o Socialismo. Que, senão são coincidentes,não são também totalmente opostas. Terceira Via é nada menos do que uma Resultante dessas duas forças. Abrindo assim, um campo para o existência de uma opção, que não é uma coisa nem outra e ao mesmo tempo são as duas coisas. Eu acredito muito nessa vertente, como alternativa para convergir anseios de ambas as correntes. Num olhar metodológico, poderiamos enxergar essa possibilidade como uma demonstração empírica da dialética. Enquanto o Capitalismo está mais associado ao racional, à eficiência, à lógica; o Socialismo está mais associado ao nosso cognitivo, à sensibilidade, sentimentos, percepções, etc. Acredito ainda, que só a Democracia viabiliza essa vertente. A Ditadura, sem dúvida, enviesará para o socialismo ou para o capitalismo radical. ENTÃO SEJA BEM VINDO, COLOCANDO SUA CONTRIBUIÇÕES, SUAS IDÉIAS, SUAS DÚVIDAS, ETC. (Paulo Franco)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Suécia e Holanda fecham prisões. Brasil fecha escolas e abre presídios

Por Luiz Flávio Gomes


1.  Introdução


Antes foi a Holanda (fechou 8 presídios em 2012). Agora é a Suécia que acaba de fechar 4 presídios. Desde os anos 90 o mundo todo estava somente enchendo as cadeias. De repente, nasce uma tendência contrária. Será que vai se sustentar? Em vários países o número de presos está diminuindo. As causas? Redução da criminalidade, enfoque mais compreensivo em relação ao tema drogas, baixa reincidência, aplicação de mais penas alternativas, inclusive para pequenos roubos, para os furtos e lesões não graves etc.

Por que Holanda e Suécia estão fechando prisões, enquanto Brasil e EUA estão aumentando os presos? Por que Noruega tem baixo índice de reincidência, enquanto são altos os índices no Brasil? Por que vários países estão diminuindo os presos e as prisões, enquanto o Brasil está fechando escolas para construir presídios? Por que países como Suécia e Holanda dão tratamento ameno à questão das drogas, enquanto Brasil e EUA continuam com a mentalidade puramente repressiva?

Uma boa pista que se poderia sugerir para entender essas abissais diferenças pode residir na cultura de cada país: patriarcal ou alteralista. Um ponto relevante consiste em examinar o quanto os países mais liberais já se distanciaram do arquétipo do Pai (patriarcal) para fazer preponderar o arquétipo da alteridade. No campo econômico, apesar de todas as crises mundiais e locais, as nações mais prósperas neste princípio do século XXI (países nórdicos, Suíça, Canadá, Japão etc.) são as mais cooperativas, as mais solidárias (ou seja, as que contam com menos desigualdades). As que seguem mais firmemente o arquétipo da alteridade (não o patriarcado). Trata-se, neste caso, de uma cooperação intencional, deliberada. O progresso econômico sustentável depende dessa prática cooperativa. Nenhuma sociedade é rica plenamente se grande parcela da sua população está mergulhada na miséria e na pobreza.

2.  Suécia fecha quatro prisões porque população carcerária despenca



Suécia: Prisão Sollentuna, cela, sala de ginástica e refeitório
“A Suécia está passando por tamanha queda no número de prisioneiros recebidos por suas penitenciárias, nos últimos dois anos, que as autoridades da Justiça do país decidiram fechar quatro prisões e um centro de detenção.

“Vimos um declínio extraordinário no número de detentos”, disse Nils Oberg, diretor dos serviços penitenciários e de liberdade vigiada suecos. “Agora temos a oportunidade de fechar parte de nossa infraestrutura, por não necessitarmos dela no momento”.
____________________
Postagens Relacionadas:
Claudia Riecken em: Brasileiro Executado 
Anistia Internacional: Homicídios Invisíveis
MAIORIDADE PENAL, o Brasil e o mundo
Suécia fecha 4 prisões e prova: a questão é social
Cidades mais violentas do mundo: EUA, o grande destaque
 
54 países que reduziram a maioridade penal não diminuiram a violência
____________________

O número de presidiários na Suécia, que vinha caindo em cerca de 1% ao ano desde 2004, caiu em 6% de 2011 para 2012 e deve registrar declínio semelhante este ano e no ano que vem.

Como resultado, o serviço penitenciário este ano fechou prisões nas cidades de Aby, Haja, Bashagen e Kristianstad, duas das quais devem ser provavelmente vendidas e as duas outras transferidas a outras instituições governamentais para uso temporário.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

400 Igrejas fecharam no Canadá – sinal dos tempos?

Por Graeme Hamilton


O que está acontecendo com as igrejas de Montreal? Quebec encontra novas maneiras de preservar seu patrimônio em uma época secular.



"No início meu pai ficou horrorizado mas depois ficou orgulhoso." diz Sonya
Aparelhos de pesos ocupam o espaço onde antes havia bancos de igreja, e os visitantes bebericam sucos verdes nutritivos, em vez do vinho da comunhão. Porém, apesar de sua transformação dramática em uma academia de ginástica privada e SPA, o outrora Santuário dominicano de São Judas, na Rua St. Denis, em Montreal, continua sendo um tipo de templo.

Ele se torna quase uma religião para algumas pessoas,” disse Sonya Audrey Bonin, gerente geral da academia de ginástica Saint-Jude Espace Tonus, nesta semana. “Eu considero isso como fazer yoga, cuidar de si, cuidar do que você come, ter um estilo de vida saudável.” E em uma época secular, quando as pessoas estão mais propensas a frequentar a academia do que ir à missa no domingo de manhã, as instalações de luxo estão sendo elogiadas como modelo de preservação de prédios religiosos que constituem uma parte importante do patrimônio arquitetônico de Quebec.


A Igreja de Santo Eugênio é agora um centro comunitário
O Conselho de Patrimônio Religioso de Quebec foi criado, em 1995, com fundos provinciais e com a missão de reparar as minguadas igrejas da província. As congregações em decadência pensavam que as paróquias estavam tendo dificuldade em pagar os reparos. Assim, o conselho identificou os prédios com o maior valor patrimonial e subsidiou a manutenção deles.

Porém, após 18 anos e $371 milhões investidos pelo governo, o conselho reconheceu que faz pouco sentido reparar prédios simplesmente para mantê-los de pé. Eles precisam ser ocupados, e as igrejas estão tendo bastante dificuldade em fazê-lo. “A questão mudou,” disse Denis Boucher, gerente de projetos do conselho de patrimônio. “Hoje em dia, falamos muito mais em encontrar usos para igrejas.” No passado, as verbas do conselho eram

domingo, 18 de janeiro de 2015

Claudia Riecken em: Brasileiro Executado

Por  Claudia Ricken


Neste vídeo, que acho valer a pena ver com muita atenção e serenidade, Claudia Ricken faz considerações muito interessantes de todo esse episódio, da condenação e execução do brasileiro Marco Archer, por tráfico ao ser capturado portando 13kg de Cocaina. 

Suas reflexões passa pelo país da Indonésia, pela questão humanistica, pela conduta de Dilma e outros aspectos interessantes.  Vale a pena ver e formar sua opinião.



____________________

Claudia Riecken é psicóloga formada pela USP, especialista em terapia breve, atua no empreendedorismo e em outros setores.  Como escritora já públicou diversos livros e é membro de diversas instituições na área da neurologia e psicologia.





sábado, 17 de janeiro de 2015

Suécia fecha 4 prisões e prova: a questão é social

Por Lino Bocchini


Penas alternativas e investimento na ressocialização de detentos derrubaram a população carcerária e levaram ao fechamento de 4 prisões no país nórdico




Presídio Dois Rios, abandonado de Ilha Grande (RJ)
O jornal inglês The Guardian informou que 4 prisões e um centro de detenção foram fechados na Suécia em 2013, pela Justiça daquele país, por falta de prisioneiros. O diretor de serviços penitenciários local, Nils Oberg, afirmou que o número de detentos estava caindo 1% ao ano desde 2004 e, de 2011 para 2012, caiu 6%.

Oberg e outras fontes ouvidas pelo jornal inglês acreditam que a queda do número de presos tem os seguintes motivos:
  1. Investimentos na reabilitação de presos, ajudando-os a ser reinseridos na sociedade; 
  2. Penas mais leves para delitos relacionados às drogas e 
  3. Adoção de penas alternativas (como liberdade vigiada) em alguns casos

Com uma política semelhante, a superpopulação carcerária no Brasil e em outros países poderia ser bastante atenuada. O exemplo sueco deixa claro, mais uma vez, que a questão da criminalidade é, sim, social. Ninguém nasce malvado, não existe o que popularmente é chamado de sangue ruim.
____________________
Postagens Relacionadas: 
”Impostos são o preço que se paga por uma sociedade civilizada”
Políticas de austeridade penalizam as crianças, afirma Unicef
MAIORIDADE PENAL, o Brasil e o mundo
54 países que reduziram a maioridade penal não diminuiram a violência
Anistia Internacional: Homicídios Invisíveis
Cidades mais violentas do mundo: EUA, o grande destaque
 
____________________

Na Suécia, 112º país do mundo em população carcerária, são 4.852 presidiários para 9,5 milhões de habitantes –51 para cada 100 mil habitantes. No Brasil, que tem a 4ª maior população carcerária do mundo, são 584.003 detentos, ou 274 por 100 mil habitantes.

E olha que a reportagem nem entra no mérito de que naquele país nórdico toda população têm acesso a serviços públicos de qualidade (educação, saúde, cultura etc) e que lá os direitos humanos são levados a sério pelos governantes.

Acreditar que não há ligação entre a questão social e o número de presos em um país é acreditar que há pessoas mais propensas para o mal. Ou que quem nasce abaixo da linha do Equador é mais malandro ou algo que o valha.

Isso sem falar na questão moral. Insuflada pelos Datenas da vida, boa parte da população acha que mesmo quem cometeu um crime leve tem de amargar longos períodos encarcerados em condições sub-humanas. E grita contra qualquer investimento na ressocialização de detentos –“pra quê gastar dinheiro com bandido?”.

O que o autoproclamado “cidadão de bem” precisa entender é que a melhor opção para a segurança de sua família –e para um mundo melhor— é o modelo sueco, e não a manutenção das prisões brasileiras tais como estão hoje.
________________________
Compartilhado do site Carta Capital

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

John Pilger, A Guerra que voce não vê


John Pilger, neste documentário nos mostra como os grandes atores do mundo, os governos das superpotências, os meios de comunicação e o grande capital manipulam a população mundial e constroem um cenário global que atendam seus interesses econômicos, políticos e os mantém no poder com altos ganhos financeiros às custas de muitas vidas humanas.

Este projeto não teria tanto sucesso, se estes poderosos não contassem com a colaboração sórdida da mídia, dos políticos e da elite dominante nos países periféricos que lucram muito com a deterioração de seus próprios países.

Com certeza vale a pena assistir com calma e muita reflexão esse documentário.




____________________
Compartilhado do site Viomundo