BOAS VINDAS

A idéia deste blog é a criação de um espaço para o questionamento de duas grandes forças das ideologias atuais: o Capitalismo e o Socialismo. Que, senão são coincidentes,não são também totalmente opostas. Terceira Via é nada menos do que uma Resultante dessas duas forças. Abrindo assim, um campo para o existência de uma opção, que não é uma coisa nem outra e ao mesmo tempo são as duas coisas. Eu acredito muito nessa vertente, como alternativa para convergir anseios de ambas as correntes. Num olhar metodológico, poderiamos enxergar essa possibilidade como uma demonstração empírica da dialética. Enquanto o Capitalismo está mais associado ao racional, à eficiência, à lógica; o Socialismo está mais associado ao nosso cognitivo, à sensibilidade, sentimentos, percepções, etc. Acredito ainda, que só a Democracia viabiliza essa vertente. A Ditadura, sem dúvida, enviesará para o socialismo ou para o capitalismo radical. ENTÃO SEJA BEM VINDO, COLOCANDO SUA CONTRIBUIÇÕES, SUAS IDÉIAS, SUAS DÚVIDAS, ETC. (Paulo Franco)

sábado, 3 de maio de 2014

Cidades mais violentas do mundo: EUA, o grande destaque

Por Paulo Franco


No cenário da violência mundial, a estrela são os EUA que a despeito de ser o grande símbolo de sucesso em riqueza e desenvolvimento consegue ter cidades que estão classificadas entre as mais violentas do mundo. A América Latina, ao lado dos EUA é uma triste constatação pois consegue ser a reagião mais violenta do mundo, situação que não deve ser alterada tão cedo.  Primeiro porque a distância é extremamente grande, em segundo porque não há nenhuma evidência de mudança na tendencia atual.




O estudo sobre Segurança, Justiça e Paz elaborado pelo Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Criminal do México, levantou as cidades mais violentas do mundo, tomando como parâmetro a taxa de homicídios por 100 mil habitantes.

AS TRES CIDADES MAIS VIOLENTAS DO MUNDO


San Pedro Sula, em Honduras é, pela terceira vez consecutiva a cidade mais violenta do mundo com uma taxa de 187 homicídios por 100 mil habitantes. A situação de San Pedro só tem piorado nos últimos anos. Em 2010 ela ocupava a 3ª posição, com uma taxa de 125 mas em 2011 essa taxa aumentou para 159 e San Pedro Sula assumiu a liderança da violência mundial. A situação continuou se deteriorando em 2012 e 2013 com as taxas de homicídios atingindo 174 e 187 respectivamente.

Na segunda posição vem Caracas, na Venezuela, com 134 homicídios e em terceiro vem Acapulco no México, com 113 homicídios por 100 mil habitantes.
____________________
Leia também:
54 países que reduziram a maioridade penal não diminuiram a violência
Violência e Desigualdade Social
Hoje Existem Dois EUA. Um Deles É Um Show de Horrores
____________________

A cidade mexicana de Juarez teve uma trajetória inversa de San Pedro Sula. Ela era a cidade mais violenta do mundo em 2008, 2009 e 2010. Em 2011 com San Pedro atingindo a marca de 159 homicídios por 100 mil habitantes, a cidade de Juarez passou para a segunda posição. Em 2012 continuou caindo no ranking para 19 e em 2013 para a 37ª posição.

BRASIL TEM O MAIOR NÚMERO DE CIDADES ENTRE AS 50 MAIS VIOLENTAS


O Brasil tem 16 cidades entre as 50 mais violentas do mundo. Dentre as 10 mais violentas, o Brasil tem 3 cidades: Maceio, com 80 homicídios por 100 mil habitantes, Fortaleza com 73 e João Pessoa com 67 homicídios. Todas as 3 localizadas no nordeste, o que indica que há uma regionalização do problema. 

Todavia, é importante observar que o maior número de cidades entre as 50 mais violentas, não reflete que o Brasil seja, necessáriamente,  o mais violento dos países. Na verdade há que se considerar o tamanho do país e sua respectiva população e também o número de cidades com população superior a 300 mil, parâmetro definido pela instituição que executou o estudo.



Realmente o Brasil tem 16 cidades entre as 50 mais violentas, mas ao mesmo tempo, possue 85 cidades com mais de 300 mil, enquanto que o México tem 50, Venezuela tem 17 e as demais cidades muito menos que isso. Ao relativizar essa estatística, tomando por base a relação número de cidades violentas, em relação ao número total de cidades com mais de 300 mil habitantes, concluímos que a situação do Brasil fica bem menos grave em relação a outros países tais como Honduras que têm duas cidades com mais de 300 mil habitantes e ambas estão entre as 50; El Salvador e Porto Rico, que só têm uma cidade com mais de 300 mil habitantes cada um, ambas estão entre as 50 mais violentas.


EUA, HONDURAS E AMERICA LATINA SÃO OS DESTAQUES



San Pedro Sula,  cidade mais violenta do mundo, com
1 milhão de habs e taxa de homicidios de 187.
Honduras é talvez o país mais violento do mundo, na metodologia adotada pela instituição. Primeiro porque as duas cidades elegíveis estão entre as 50 cidades, o que significa 100%. Depois porque a cidade que ocupa a liderança de mais violenta, pela 3º vez consecutiva e apresenta a elevadíssima taxa de 187 homicídios por 100 mil habitantes está em Honduras. 

A America Latina é outro destaque, na medida em que 43 cidades, ou 86% das 50 estão localizadas nesta região. Não há nenhuma região ou continente que seja possível fazer alguma comparação. É quase que o monopólio da violência.

Os EUA é um grande destaque, embora com somente 4 cidades entre as 50, pareça numa primeira observação como sendo um índice baixo. Comparado com os países da América Latina é realmente baixo, mas como já disse, a America Latina não é referência para nenhuma região ou nenhum paíse no mundo, muito menos para os EUA.


Detroit, outrora símbolo de sucesso, riqueza e ostentação
O que coloca os EUA como um destaque é sua condição de país rico, desenvolvido. Na verdade a grande potência do mundo atual. Saíndo do ambiente da América Latina e da única exceção que é a Africa do Sul, nenhuma região e nenhum país no mundo têm cidade com um nível de homicídios que o coloca entre as 50. Nem é necessário ressaltar que nenhum país desenvolvido se situa em condições semelhantes aos EUA.

As quatro cidades americanas que integram a lista das 50 cidades mais violentas do mundo são: Detroit, New Orleans, Baltimore e Saint Louis.  Detroit é a capital da indústria automobilistica americana e mundial, é sede das principais industrias do setor, entre elas a GM e a Ford.  Detroit é então extremamente dependente dessa industria.  Teve um bom de crescimento e isso trouxe benefícios e problemas.  

Na década de 70 com a crise do petróleo, Detroit sofreu muito com a concorrência da industria automobilistica japonesa já que os veículos produzidos naquele país eram mais baratos e econômicos.  Detroit passou por uma série recessão econômica mas conseguiu se reerguer.  Sua população que tinha atingido quase 2 milhões de habitantes na década de 50, vem regredindo desde a decada de 60, com a emigração da população para localizações melhores que a area urbana, o centro, atingindo nos dias atuais cerca de apenas 700 mil habitantes. A população da região metropolitana de Detroit tem atualmente mais de 4 milhões de habitantes.  A área central, a área da Detroit antiga acabou ficando com a população mais pobre e uma maior concentração da população negra.  Hoje certas áreas de Detroit são verdadeiras cidades fantasmas, com shoppings, lojas, fabricas, resorts, edifícios e milhares de residências e lotes abandonados.




Com a crise financeira, provacada pela bolha imobiliária e o mecanismos de securtização de derivativos de sub-prime, a industria automobilistica americana enfrentou a sua maior crise até então e Detroit, com sua total dependência dessa indústria, declarou falência.   O drama de Detroit se refletiu em todos as dimensões sociais, dentre elas, a violência civil, fazendo com que essa linda e próspera cidade americana, simbolo do modelo de desenvolvimento e de sucesso se transformasse na cidade mais violenta dos Estados Unidos, com uma taxa de homicídios de 47, assumindo a 24ª posição entre as 50 cidades mais violentas do mundo.

New Orleans é uma cidade tradicionalmente violenta, em 2008 a taxa era de 64 homicidios por 100 mil habitantes, mas em 2012 ela foi reduzida para 52 e em 2013 para 42.  O que é um avanço, mas ainda em torno de 10 vezes a média americana.  Baltimore, que vem logo em seguida também é uma cidade tradicionalmente violenta e ao contrário de New Orleans não houve grandes alterações nos indicadores, situando-se próximo aos 40 e em 2013 fechou com 38 homicidios por 100 mil habitantes.  Saint Louis, tal como New Orleans também é uma cidade que tem altos indices de criminalidade e não houve nenhuma mudança relevante de tendência no passado recente e não há nenhuma perspectivas de mudança para o futuro próximo.

A existência de cidades tão violentas nos EUA é uma mostra inequívoca do quão perverso é o modelo economico e social dos EUA.   Um país que é a maior economia do mundo, com uma das maiores rendas per capta, o grande império hegemônico atualmente, lider em diversas áreas, têm internamente abismos tão incompreensíveis quanto inadmissíveis.  Ao mesmo tempo em que se tem cidades com taxas de homicídios de 50, 60, e as vezes até se aproximando de 100, tem também de outro lado cidades em esses mesmos índices ficam entre 2 e 5.  Como todos sabemos,  nenhum país desenvolvido no mundo apresenta cenário tão grotesco.

Ainda nessa linha das consequências do modelo econômico e social dos EUA, observamos outros abismos, como por exemplo ser o país com o maior índice de GINI, com a maior taxa de pobreza, e o maior número de cidadãos sem qualquer serviço de saúde, dentre o seu peer group.   Cabe ressaltar que a trajetória nos últimos 50 anos é a manutenção da tendência de ampliar os abismos econômicos-sociais e não diminuir, como pode ser constatado a evolução crescente do índice de GINI desde os anos 60 até os dias atuais.  Esse cenário, pode demonstrar na verdade o contrasenso do "American way of life", levando muitos estudiosos da comunicação a constatar que essa expressão se caracteriza tão somente num mote propagandista a la Goebbels, já que os EUA é considerado o seu maior herdeiro e seguidor.  É a vitória de uma ideologia auto-imune e de um modelo de capitalismo selvagem com todas as suas indissiocrasias. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário